Dicas

Milagre na Rua Azusa

Milagre na Rua Azusa

FOGO DO CÉU A Ascensão da Espiritualidade Pentecostal e a Remodelação da Religião no Século XXI. Por Harvey Cox. Ilustrado 346 pp. Reading, Mass .: Addison-Wesley Publishing Company. US $ 24

Milagre na Rua Azusa

Em 14 de abril de 1906, quatro dias antes do terremoto de São Francisco, uma sublevação mais sutil, mas mais duradoura, também começou na Califórnia. Um renascimento religioso, liderado pelo Rev. William J. Seymour, filho de ex-escravos, começou em um edifício decadente na Azusa Street, em Los Angeles. Os serviços continuavam dia após dia, o humor ficando cada vez mais entusiasmado, atraindo centenas, negros e brancos, à medida que a notícia se espalhava. Dentro de uma semana, o Los Angeles Times contou sobre um “balbuciar estranho” vindo do prédio.

O que o jornal ouviu foi um surto de “glossolalia”: pessoas proferindo uma linguagem de oração em êxtase até então desconhecida para eles. Hoje em dia, a reunião da Rua Azusa é amplamente creditada como o evento central no nascimento do pentecostalismo, agora um movimento cristão mundial que se distingue em grande parte pela crença de que “falar em línguas” é evidência do Espírito Santo de Deus agindo sobre os fiéis.

O termo “pentecostal” deriva do dia de Pentecostes, um evento crucial no início do cristianismo. Conforme descrito no Novo Testamento, os seguidores de Jesus estavam reunidos em uma sala em Jerusalém depois que Jesus subiu ao céu, quando ouviu um som do alto como um vento forte. “E todos ficaram cheios do Espírito Santo e começaram a falar em outras línguas, conforme o Espírito lhes concedia que falassem” (Atos 2: 4). Algumas pessoas que os ouviram, os relatórios da Bíblia, levaram-nos a beber.

Neste século, os pentecostais foram chamados de piores. A suspeita de suas crenças e estilos de adoração ofereceu um terreno raro no qual fundamentalistas, cristãos liberais e secularistas poderiam se unir.

Com um olhar consideravelmente mais compreensivo, Harvey Cox, professor de religião na Universidade de Harvard, procura explorar o movimento e explicar seu apelo em “Fogo do Céu: A Ascensão da Espiritualidade Pentecostal e a Remodelação da Religião no Século XXI”. ” A jornada o leva a igrejas em quatro continentes, começando com três congregações dentro de uma viagem de 20 minutos de sua casa em Cambridge, Massachusetts – uma proximidade com templos de aprendizado secular que em si testemunham a potência do movimento.

Ele relata que os pentecostais são de fato numerosos, principalmente urbanos, e que eles emprestam livremente dos hinos e liturgias de outras tradições cristãs. Mais importante, o pentecostalismo não é orientado para um texto, em contraste com o fundamentalismo. Ele enfatiza a experiência individual do divino, o que dificulta a generalização.

Participando de serviços em um armazém em Kansas City, Cox encontra uma mulher que declara entusiasticamente que na semana anterior “nós realmente tivemos igreja” lá. Apenas o que ela quis dizer, o Sr. Cox nunca aprende, achando a noite estragada por um pregador graciosamente insincero. No Brasil, ele entrevista um proeminente líder político local, uma mulher que cita os milagres de Jesus e acrescenta: “Se guardarmos a palavra de Deus, faremos coisas maiores do que ele!”

Dada a excitação religiosa e Louvores,  pessoal inerente à experiência pentecostal, teria sido uma adição valiosa ao estudo de Cox se ele tivesse permitido mais espaço para tais conversas. Com algumas exceções intrigantes, as vozes dos pentecostais comuns não são muito citadas nessas páginas.

Cox dá mais espaço à pesquisa acadêmica sobre o movimento, embora ele ofereça várias teorias intrigantes sobre a popularidade do pentecostalismo. Ele acha outros intelectuais tão interessados ​​quanto ele, mas muitos ficam perplexos quanto ao seu apelo. Depois de visitar a igreja brasileira, ele vai almoçar com um grupo que inclui sociólogos, teólogos, um cientista político, um antropólogo cultural, um ministro, um padre e uma freira. Nenhum deles é pentecostal, mas cada um tem uma opinião sobre o crescimento explosivo do movimento. Um afirma que satisfaz as necessidades psicológicas dos pobres; outro encontra um link para o conflito de classes; outros, talvez inevitavelmente, culpam a CIA

SR. COX oferece sua própria explicação, mais próxima do que alguns próprios pentecostais poderiam dizer. Nas igrejas pentecostais, com sua ênfase em “orar no Espírito” e em curar através da oração, e com suas expectativas milenares, ele encontra uma “espiritualidade elementar” com um forte apelo intercultural. A glossolalia, escreve ele, é uma forma de “discurso primordial”, um modo democrático de louvar a Deus fora de clichês e credos esgotados.

Mas para aqueles que abraçariam o pentecostalismo intelectualmente, Cox encontra contradições em grande quantidade: elementos esperançosos coexistindo com os de mau gosto.

Desde o início, o pentecostalismo inspirou-se na espiritualidade negra, mas os herdeiros da Rua Azusa logo criaram denominações amplamente segregadas. Nos serviços religiosos, as mulheres dão “testemunho pessoal”, parecendo pregadores, mas muitas igrejas impedem as pastoras. Cox ouve alguns pentecostais pregando evangelismo aos pobres, mas encontra outros especulando sobre conspirações satânicas.

O pentecostalismo, diz Cox, é profundamente paradoxal. As pessoas são atraídas por muitas razões; suas igrejas expressam visões políticas e teológicas variadas. Até agora, essa diversidade assegurou o sucesso popular.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.