Tratamento fitoterápico da depressão: saiba mais

A depressão é uma doença incapacitante que pode ser diagnosticada em qualquer faixa etária. Enquanto nos jovens ela diminui a capacidade laboral, nos idosos, essa doença pode causar alterações psíquicas graves e propiciar o suicídio.

O tratamento da depressão envolve o reconhecimento dos sintomas de forma precoce e o uso de medicamentos que atuam no sistema nervoso central, associado ao acompanhamento psicoterápico.

No entanto, a baixa efetividade e os riscos de causar reações adversas graves e tolerância ao tratamento são aspectos preocupantes. Sendo assim, muito paciente tem recorrido a outras estratégias terapêuticas.

Por isso, se ficou interessado, fique por aqui e conheça o tratamento fitoterápico para depressão. Acompanhe conosco!

Tratamento fitoterápico da depressão

O que é o transtorno depressivo?

Trata-se de uma doença com característica de humor depressivo decorrente do desequilíbrio de neurotransmissores, principalmente aqueles ligados à sensação de prazer e bem-estar. Também são evidenciadas alterações de apetite e do sono.

Os indivíduos relatam pouca vontade de viver e ficam em uma inércia tanto para as atividades cotidianas quanto profissionais. Nesse sentido, eles perdem a capacidade de sentir prazer ou de se alegrar nos pequenos momentos da vida.

As consequências são drásticas e vão desde alterações fisiológicas como obesidade, anorexia, fraqueza muscular, osteopenia etc. até mudanças no comportamento incluindo irritabilidade, humor depressivo e isolamento social.

Quais são as linhas de tratamento?

As principais linhas de tratamento se baseiam na prescrição de antidepressivos, ansiolíticos e antipsicóticos que devem ser associados a sessões de psicologia do tipo cognitivo comportamental, freudiana, dentre outras.

Todavia, o resultado do tratamento antidepressivo é percebido após três semanas, o que diminui a esperança do indivíduo que sofre dessa condição clínica. Além disso, alguns medicamentos causam constipação, boca seca, insônia, alterações da libido, dentre outras sensações colinérgicas.

Sendo assim, os prescritores devem avaliar cuidadosamente a terapia prescrita devido ao risco de abstinência de alguns antidepressivos, e conciliar com outras estratégia medicamentosas para alcançar o efeito terapêutico desejado.

Como o fitoterápico pode ajudar?

Como o fitoterápico pode ajudar

A fitoterapia é uma ferramenta que traz compostos com propriedades clínicas significativas e pode ser associada à terapia convencional. Por meio dos chás medicinais, é possível curar ou aliviar sintomas depressivos.

Um dos exemplos mais estudados para a depressão é a erva-de-são-joão (Hypericum perforatum). Esse composto é comercializado na forma de extrato seco etílico da sumidade florida e deve ser ingerida apenas uma cápsula ao dia.

No entanto,o uso da erva-de-são-joão deve ser monitorado por um profissional clínico devido as potencialidades de interações medicamentosas e da ocorrência de reações adversas gastrointestinais.

Esse fitoterápico é indicado como adjuvante no tratamento de episódios depressivos leves e moderados. Outros produtos, como a passiflora incarnara que aliviam os sintomas de ansiedade presentes nesses indivíduos, também pode ser usados.

A depressão é uma doença séria que deve ser identificada precocemente para evitar consequências mais graves, como o suicídio. Sendo assim, é fundamental identificar os sintomas, encaminhar o indivíduo ao profissional clínico e optar por estratégias medicamentosas seguras e efetivas.

O uso adjuvante dos fitoterápicos pode ser uma alternativa para aqueles indivíduos que estão iniciando o tratamento e temem pelas consequências dos efeitos adversos dos medicamentos alopáticos.

E você, qual é a sua experiência com o uso de fitoterápicos? Você conhece os profissionais clínicos que atuam nessa área? Sabia mais sobre o curso de pós-graduação em fitoterapia!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *